sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Cão sem Plumas

Sentado na beira da estrada
Sem eira nem... um maço de cigarros
Me agarro na lembrança
Que não devo favor pra ninguém
Desempregado, despejado
Nenhum lugar pra dormir
Só sobrou minha coleção de discos
Meu amp e minha guitarra
-Nenhum lugar pra chamar de casa
Eu vou, eu vou, eu vou... me dar mal...
Eu vou, eu vou, eu vou... me dar mal... de novo
Se sou feliz, então não sei
O que sobrou pra mim foi o que criei
Meu som, minha dor, o que escrevi e o que pensei
Imaginei severas batalhas 
De peito nu, sem cota, nem malha
Já, de semblante sério, encarei a noite
Vencedor, perdedor, eu já vi o sol nascer
De um ângulo diferente do teu
-Eu sou um cão sem plumas
Eu vou, eu vou, eu vou... me dar mal...
Eu vou, eu vou, eu vou... me dar mal... de novo
Nenhuma esperança
A realidade bruta
Acorda chutando minha cara
Quando caio na minha vida real
Na merda que estou
Fudido
Tento dormir de novo, não consigo

2 comentários:

c.giordanidealmeida disse...

Andre vc me surpreende... Está cada vez melhor... Posso publicar no meu face? Coloco os créditos... Please!!!

Delongas, não mais que delongas... disse...

Ja deixei...rsrsrs...